L`arte di cucinare i mangiare- Memórias da viagem à Itália

2 maio

 

 Não me levem a mal, tive que “requentar” esta matéria que estava no outro blog www.cartastrocadas.wordpress.com porque lá ela estava meio perdida. Dei uma recauchutada nela e coloquei algumas fotos. Boa leitura!

Sabrina Demozzi    

Resumir em estereótipos a comida italiana é mais ou menos como dizer que no Brasil só se come feijoada. Isso foi dito por um romano quando eu disse que pretendia escrever sobre a culinária local. Ele logo me avisou que nem um italiano já provou tudo o que a gastronomia do país pode oferecer e que a visão-um pouco distorcida-, que temos é fruto de conclusões apressadas e sem fundamento. Sendo assim, só falo do que vi e do que comi na apaixonante Itália. Tirando um calor de fazer inveja a Tocantins, uma viagem para a terra de Michelangelo vale qualquer esforço.

Viajar em julho é um período pouco recomendado já que há muitos turistas nas cidades italianas, principalmente naquelas com maior número de atrações turísticas como Roma, Florença, Pisa e Veneza. São dezenas e dezenas de pessoas se acotovelando para poder tirar uma boa foto, comer no melhor restaurante e poder desfrutar a viagem da melhor maneira.

Melhor maneira mesmo é comer. Com todo o calor não dá muita vontade de comer pizzas e pastas (massas), mas é essencial que se conheça a cultura de um país a partir do que se come, então, a idéia é comer os carboidratos mais ao fim do dia e depois caminhar um pouco. A tradição italiana, seja em restaurantes ou em casas de famílias, pede um cardápio que geralmente é composto dos seguintes pratos: Antipastti que podem variar de região pra região (entradas com opções de queijos, tomates recheados, bruschettas, verduras da estação, carpaccio de carne e salmão, frutos do mar) entre muitos outros; depois o Primo Piato (que é geralmente as massas que podem ser recheadas ou não; com porcinni (cogumelos), pomodoro(tomate), carbonara( bacon e ovos) e uma infinidade que não caberia neste espaço; em seguida o Secondo( que são os pratos a base de carne e por fim o Contorni( que são as insalatas(saladas) e as verduras grelhadas). Sobremesa, vinho, café e fruta completam a refeição. Este é um menu tradicional e é claro que pode se optar por comer um prato ou outro. Vários pratos tradicionais têm como base, peixes frescos e frutos do mar vindos do lago Garda e do Mar Adriático.

 Comida de Rua  

Na falta de dinheiro uma excelente opção é comer em restaurantes ou snack bar que são locais mais informais. Os sanduíches e as pizzas de taglio (pizza por metro) são as opções preferidas por turistas. As pizzas com pomodoro (tomate) e basílico (manjericão) e as de prosciutto crudo (presunto cru) são marca registrada deste tipo de lugar. Os sanduíches colorem as  vitrines das lojas e também são muito saborosos. Os de gamberi (camarão), caprese (mozarella de búfala, tomate e basílico) prosciutto cotto (presunto cozido) são os mais pedidos. Tudo leva muito pouco tempero, apenas sal e azeite de oliva extra virgem. Aliás, a qualidade do azeite é indiscutível e de fato dispensa qualquer outro ingrediente.

Uma outra opção são as barracas de frutas. Elas ficam nas calçadas e formam um bonito visual. Não são tão baratas como no Brasil, mas de excelente qualidade. Pra refrescar, nada melhor que o sorvete italiano, que é simplesmente perfeito.

 Café   

O café italiano merece destaque pela qualidade não só dos grãos, mas sim, no manejo em se fazer um bom café. O cappuccino é quase uma unanimidade nacional e em nada se parece com o que temos aqui no Brasil. O machiatto lembra de longe o nosso “pingado”,  que é mais leite e um pouquinho de café. O café da manhã geralmente é composto por um cornetto, espécie de croissant com ou sem geléia, e uma xícara de cappuccino ou café esprèsso. Uma coisa interessante é que em bairros mais retirados um café custa na média 0,70 euros, já em locais mais turísticos pode chegar a 3 euros. Daí o mito que o café na Itália é “muito caro”.

Não há como reduzir a cultura gastronômica de um país em poucas linhas. Mas este breve relato serve para mostrar e dissolver as impressões que se criam em torno de uma tradição. A Itália surpreende pela multiplicidade da sua cultura alimentícia, que é sem sombra de dúvida uma das melhores do mundo.

Algumas delícias italianas (vide imagens no quadro abaixo)

Fiori di Zuchinni – São as flores de abobrinha que são recheadas com uma mousse de peixe e fritas em uma massinha bem leve. Costuma ser servido como antipastti (entrada).    

Spaghetti alla Vongole– Espaguete com mexilhões. Prato encontrado principalmente na região litorânea, é preparado com mexilhões e um molho picante.

Insalata Caprese-A salada caprese é uma salada de tomates frescos com mozarella de búfala e balísico (manjericão). Muito simples, mas a combinação destes ingredientes forma um sabor muito harmonioso. Como tempero, apenas azeite e sal.      

Tiramissu-A clássica sobremesa italiana tão difundida pelo mundo é uma leve massa de pão-de-ló embebida em café com camadas de queijo mascarpone.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: