Flor de abóbora

8 jan

Sabrina Demozzi

Em Memórias póstumas de Brás Cubas, tem uma frase que eu nunca esqueço, dentre as milhares tão boas, quanto essa quando Machado de Assis escreve se dirigindo ao leitor e fala sobre a ideia fixa: “Deus te livre leitor, de uma ideia fixa” ele diz, se referindo ao fato de que a ideia fixa pode consumir seu pensamento de modo a você não pensar em mais nada ou se pegar sempre pensando a mesma coisa consciente ou inconscientemente. Pois bem, tive essa relação com a flor de abóbora. Comi há anos atrás e procuro desde então as flores em Curitiba. Eu tenho uma simpatia especial com a flor, pois o nome da minha empresa é Flor de Abóbora, já ganhei uma música com esse nome “Fiore di zucca” feita pelo meu amigo Franco Cava e eu tenho uma tatuagem de Flor de Abóbora que meu irmão insiste em dizer que é uma carambola.

Flor de abóbora

Eis que então chego ao meu trabalho depois das férias coletivas e vejo o estacionamento com um monte de flores de abóbora. Pequenas, acanhadas e cheias de pulgão, mas ainda sim flores de abóbora. Falo com minha cúmplice Alessandra e roubo, ou melhor, me aproprio sem pagar de algumas flores. Justifico isso dizendo que já procurei por toda a cidade e até liguei para restaurantes italianos famosos para saber se eles já compraram e tal e recebi a seguinte resposta: nunca “vi esse negócio de comer flor de abóbora”. Pois é come-se, fritas e recheadas ou apenas salteadas na manteiga para acrescentar em risotos e massas.

Nunca preparei flores de abóbora, mas achei que não seria tão difícil. Lavei bem, fiz um recheio com ricota, gorgonzola e folhas de manjericão, azeite, sal e pimenta do reino. Depois fiz duas massas para empanar: uma apenas com trigo, fermento, cerveja e sal que fica parecendo aquelas massinhas em que os chineses fritam as frutas e o camarão e outra igual a essa mas com um ovo que fica mais molinha e lembra fritura de tempurá. Essa última fica mais o formato da florzinha que era mirradinha, a coitada. A crocância da primeira massa permanece por mais tempo e a última tem que comer na hora.

Bem, acompanhe abaixo as imagens das flores e também depois de prontas. Comente o que você achou delas!

Eu e minha flor de abóbora estamos no Twitter: @sabrinademozzi

Flores de abóbora

Cerveja tipo pilsen para a massa

Imagem auto-explicativa

Massa crocante por fora e florzinha dentro

Flor empanada com a segunda massa

Anúncios

5 Respostas to “Flor de abóbora”

  1. Alessandra janeiro 9, 2011 às 12:17 am #

    Adoro ser cúmplice de coisas boas. Na próxima, eu roubo e levo pra ver fazer. Fiquei com desejos.
    =)

  2. Alina Prochmann janeiro 11, 2011 às 3:21 pm #

    Que lindo, Sassá. Fiquei muito curiosa para experimentar a flor. Viu, lembrei de você no domingo, já foi no Caçarola do Joca, em Antonina? Delicioso! Coloquei alguma coisinha no meu blog sobre o passeio, que vale muito a pena. Beijos

  3. Andréia Ribeiro fevereiro 3, 2011 às 12:57 am #

    Oi Sabrina.

    Deu água na Boca….não plantou nenhuma,para quem sabe colhermos no futuro;)))

    Beijos

    Déia

    • temperomental fevereiro 3, 2011 às 11:43 am #

      Oi minha querida,

      Não plantei não…. E as abobrinhas já estão nascendo! Mas é realmente uma delícia!

      bjs.

  4. andreia77 fevereiro 5, 2011 às 1:46 am #

    Acredita que ontem fui na casa de um Senhor,e tinha uma plantação de abobrinha no telhado de uma garagem e haviam várias flhores de abóbora.Elas realmente são bonitas e me deu água na boca de lembrar de sua receita.

    Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: